13 de setembro de 2018 |

Humanização Digital: por que tão essencial para o planejamento de conteúdo criativo

Artigo baseado no livro Marketing 4.0, de Philip Kotler

A quarta edição do livro de Philip Kotler, Marketing 4.0, se aprofunda em conceitos do livro Marketig 3.0 que aborda como tornar marcas mais humanas e ligadas à sua comunidade, como, por exemplo, as ações de Live Marketing e Brand Experience. A nova obra, além de levar novos insights ao profissional, se aprofunda no comportamento do consumidor no ambiente digital e ensina de forma clara como se humanizar e planejar conteúdos criativos usando a colaboração horizontal.

“A inclusão social está acontecendo não apenas online, mas também off-line. O conceito de cidades inclusivas – lugares que acolhem a diversidade de seus habitantes – costuma ser considerado um bom modelo para cidades sustentáveis. Semelhante ao conceito de mídia social, o conceito de cidades inclusivas argumenta que, quando elas acolhem minorias que costumam ser deixadas para trás, dando lhes uma sensação de aceitação, isso traz benefícios para as cidades. A inclusão social também pode se manifestar na forma de comércio justo, diversidade no emprego e empoderamento das mulheres. Essas práticas abraçam as diferenças humanas de gênero, etnia e status econômico”, escreve Kotler no capítulo “Mudanças de poder para os consumidores conectados”.

Ao longo dos primeiro capítulos, o autor discorre sobre os principais perfis de pessoas influenciadoras que dominam comunidades e causas na internet. Kotler também discute a respeito do perfil dessas grandes comunidades digitais: Jovens, Mulheres e heavy users são os que mais propagam ideias, formam opiniões e interagem com as redes sociais. Kotler os chama de YWN (Youth, Women and Netziens).

Pode-se dizer também que o fluxo de inovação que antes era vertical (das companhias para o mercado), tornou se horizontal.  Antes, as empresas acreditavam que a inovação deveria vir de dentro, e, com isso, desenvolviam uma infraestrutura robusta de pesquisa e desenvolvimento. Com o tempo, perceberam que a taxa de inovação interna nunca era veloz o bastante para torná-las competitivas num mercado em constante mudança.

De forma semelhante, o conceito de competição também está mudando de vertical para horizontal. A principal causa? A tecnologia. Segundo Chris Anderson, com a sua hipótese Cauda Longa, o mercado está se afastando das indústrias e produções em larga escala e seguindo na direção dos menores, como uma cauda longa. Afinal, com a internet, restrições logísticas e físicas passam a não existir para os pequenos. Está tudo mais segmentado!

Portanto, É PRECISO se destacar da multidão e conectar-se de forma significativa com os consumidores dessas micro comunidades horizontais de pessoas altamente engajadas. Para conseguir isso as empresas devem mapear o caminho que o consumidor faz até realizar a compra, o que Kotler chama de cinco AS: assimilação, atração, arguição, ação e apologia:

Assimilação: consumidor tem a consciência de que o produto existe;

Atração: consumidor simpatiza e cria memórias de curto prazo;

Arguição: levado pela curiosidade, o consumidor pesquisa sobre marca, pergunta para comunidades, passa de individual à social;

Ação: interagem com a marca, compra, segue, dá opinião;

Apologia: impactar pessoalmente as emoções, desejos, anseios e sonhos.

A principal diferença entre o marketing tradicional e o marketing 4.0, portanto, é entender a etapa APOLOGIA.

Todos sabem o quão importante é a apologia do conteúdo em questão para o cumprimento das metas. O ser humano possui inúmeras plataformas sociais para consumir algo que impacte pessoalmente as suas emoções, desejos, anseios e sonhos. Um conteúdo genuinamente humano pode ter um alcance de milhares de pessoas.

Ainda no livro, o autor explica os seis atributos humanos que as marcas devem ter se desejam influenciar os consumidores como amigos sem sub julgá-los: fisicalidade, intelectualidade, sociabilidade, emoção, personalidade e moralidade (vou falar mais sobre isso em outro texto).

Para auxiliar, responda perguntas referentes a sua conta:

  • Quais valores institucionais a marca possui?
  • Quais são as principais comunidades digitais existentes no universo inserido?
  • O que essas pessoas anseiam, temem ou possuem de curiosidade?
  • O que você faz para humanizar a sua marca?

A derradeira meta do Marketing 4.0 é encantar os clientes e convertê-los em advogados fieis.

Gostou do post?

Vamos trabalhar juntos!

Fale com a gente!
X

Receba todas as novidades do blog por email!

Fique por dentro de tudo que é postado no blog da Ampi!

Comente no Facebook

Contato

Vamos fazer um som?